quarta-feira, 29 de junho de 2022

Observatório do Amianto realiza sua primeira reunião em 2022

Fonte: MPT em Curitiba

No dia 18 de maio, o Observatório do Amianto se reuniu pela primeira vez em 2022, para discutir as iniciativas prioritárias deste ano. Participaram do evento, que foi conduzido pela procuradora-chefe do Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR), Margaret Matos de Carvalho, a procuradora do Trabalho Patrícia Blanc Gaidex, o procurador do Trabalho Marcelo Adriano da Silva, o perito em medicina do trabalho do MPT-PR Elver Andrade Moronte, além de representantes de diversas instituições que participam do Observatório e colaboram com suas atividades, como a Secretaria de Saúde do estado do Paraná, Secretarias de Saúde de municípios paranaenses, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, Conselho Regional de Serviço Social,  Ibama, Universidade Federal do Paraná, Hospital de Clínicas, Hospital do Trabalhador, Associação Paranaense das Vítimas Expostas ao Amianto e aos Agrotóxicos, Força Sindical, Nova Central Sindical do Trabalhadores do estado do Paraná e Ministério do Trabalho e Previdência.

Durante o encontro, que aconteceu de forma remota, destacou-se a necessidade da promoção de busca ativa de ex-trabalhadores e ex-trabalhadoras que atuaram em fábricas de fibrocimento e outros profissionais que desempenharam suas atividades em contato com o amianto, tema sobre o qual começarão a ser definidas ações no mês de junho. Discutiu-se também a importância da definição de um fluxo básico de atendimento a esses trabalhadores e a essas trabalhadoras, a ser adaptado às especificidades de cada região do estado do Paraná. Além de outros debates, ficou definido que serão realizadas reuniões específicas para tratar sobre o tema da desamiantização, que consiste na substituição de materiais que têm em sua composição o amianto e na adequada destinação dos resíduos.

O observatório é uma iniciativa do MPT-PR e da Associação Paranaense dos Expostos do Amianto. Os principais objetivos do grupo são: realizar estudos epidemiológicos da população trabalhadora exposta ao amianto no processo produtivo; buscar ativamente casos de pessoas expostas; orientar e apoiar trabalhadores e familiares; entre outros. O Observatório também conta com parcerias de outras instituições públicas, como a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Secretaria do Estado da Saúde e o Hospital Erasto Gaertner.

Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui