Gestão dos Afastados – Só a empresa é beneficiada?

Traremos em nosso Blog importantes informações para a Gestão dos Afastados ao longo das próximas semanas, principalmente algumas questão práticas que costumam nos ajudar muito a resolver os problemas do dia-a-dia ao gerirmos os afastamentos dos colaboradores.

Começo trazendo uma questão importante, a gestão do colaborador afastado é fundamental não só as empresas, mas também aos trabalhadores.

Quando abordamos este tema vejo certa desconfiança por parte de algumas pessoas, que imaginam que a Gestão do Afastado se resume a “defender” a empresa, sem nos preocuparmos com os colaboradores. Muitos ainda tem em mente que apenas a empresa se beneficia da adoção desta prática. Esta visão é equivocada, pois a gestão do afastado implica benefícios aos colaboradores. Realizar Gestão dos Afastados não é demitir todo colaborador que se afasta!

Em primeiro lugar, busca-se como medida eficaz para a gestão do afastado evitar que o afastamento ocorra, portanto, prevenir o afastamento. Uma boa Gestão dos Afastados identificará os motivos dos afastamentos, seja por doenças ocupacionais ou não, e buscará reduzir sua ocorrência. Este é um interesse inegável dos trabalhadores. Permite também, no mesmo sentido, calcular o custo do trabalhador impossibilitado de exercer suas funções, ficando mais palpável a necessidade de investimento em ações de prevenção e promoção a saúde. É muito mais fácil convencer a empresa sobre a necessidade de investimento em SST apresentando dados concretos. Isto não beneficia o trabalhador?

Outra questão muito relevante aos trabalhadores é o suporte dado pela empresa que faz Gestão do Afastado em relação aos trâmites previdenciários e o direito do segurado em razão da incapacidade laboral.

Muitos trabalhadores não sabem os direitos que possuem quando estão afastados no INSS, desconhecendo aspectos práticos do processo administrativo e de direitos previstos na legislação. Desconhecem o conceito de alta programada, pedido de prorrogação, perícia médica e etc. Isto faz com que percam direitos por simplesmente desconhecerem estas questões, não sabendo, por exemplo, que no dia da perícia médica deve-se levar documento médico para provar sua incapacidade laborativa.

Tudo isto pode ser resolvido com uma simples cartilha ou uma boa conversa por parte da empresa com seu trabalhador, com orientações sobre como funciona o benefício por incapacidade e os trâmites legais do mesmo.

Temos ainda a questão do limbo jurídico trabalhista previdenciário, que deve ser prevenido por uma boa Gestão dos Afastados e impacta diretamente nos trabalhadores.

Sabemos que este é um grande problema para a empresa, mas também para o trabalhador que, afinal, ficará sem receber seu sustento de ninguém. A ausência de salário e de benefício previdenciário, característica principal desta situação, implica prejuízo muito grande aos trabalhadores. A resolução desta questão acaba por beneficiar os trabalhadores também.

Estas situações acima citadas são apenas alguns exemplos das inúmeras vantagens que o colaborador tem em trabalhar numa empresa que faz a Gestão dos Afastados e não entende que sua atuação como empresa se limita a fazer o encaminhamento para o INSS.

Portanto, a visão de que a Gestão dos Afastados é de interesse apenas das empresas está muito equivocada. Todos os envolvidos são beneficiados, de formas diferentes, mas são.

Precisamos entender que não existem empresas sem colaboradores, assim como não existem colaboradores sem empresas. Com este conceito em mente devemos adequar os interesses dos dois, buscando um denominador comum.

Tratar toda empresa como vilã e demonizar todas as suas ações não resolve absolutamente nada, apenas aumenta o conflito, o que, certamente, não é de interesse de nenhuma das partes. Neste espaço vocês jamais lerão algo neste sentido, pois não é este o meu pensamento.

Acredito que a grande missão e desafio da Saúde e Segurança do Trabalho é, justamente, conciliar os interesses das empresas e dos trabalhadores, permitindo que a empresa consiga cumprir o motivo de sua existência, gerar riquezas, sem perdermos de vista a necessidade de proteção da saúde e integridade física dos trabalhadores, garantindo a eles condições adequadas de trabalho.

Não há dúvidas que a Gestão dos Afastados é uma importante ferramenta a ser utilizada pelas empresas na busca por este equilíbrio, basta saber usá-la de forma adequada. E são estes conceitos que trataremos nos próximos artigos.


Medicina Forense trata de questões relacionadas à medicina do trabalho, direito do trabalho/previdenciário e perícia médica. O blog é editado pelo médico e advogado João Baptista Opitz Neto, Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais, Mestre em Bioética e Biodireito, Especialista em Medicina do Trabalho, Medicina Legal e Perícia Médica, Pós-Graduado em Ergonomia, Professor e Palestrante nas área de Perícia Médica, Medicina do Trabalho e Meio Ambiente do Trabalho, Diretor do Instituto Paulista de Segurança e Saúde do Trabalho e Autor do livro “Perícia Médica – visão previdenciária e trabalhista”.
[email protected]