Banner 01 -RL USP - Junho
Banner 01 - PROTCAP - Maio
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P Revista Proteção Digital Banner 4
P NN Eventos - Banner 5
P Revista Emergência Digital Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
28 de Abril: massacre continua com vidas sendo ceifadas

Divulgação/Sinait
Data: 28/04/2017 / Fonte: Sinait

Os números remetem a um cenário de guerra - por ano e há anos, o Brasil registra uma média de 700 mil casos de acidentes e adoecimentos ocupacionais, dos quais quase 3 mil resultam em óbitos e mais de 14 mil em incapacitações permanentes. Em memória desta legião de trabalhadores, vítimas da negligência com a segurança nos ambientes de trabalho e da falta de investimento e de cumprimento da legislação, o dia 28 de Abril foi marcado como a data para reflexão e busca de soluções para panorama tão dramático.

O Brasil figura entre os quatro países recordistas em acidentes de trabalho no mundo, e para que o País se mantenha nessa posição assustadora contribuem diversos fatores. Um deles é justamente o enfraquecimento da Inspeção do Trabalho, com a precarização do quadro de Auditores-Fiscais do Trabalho, o menor dos últimos 20 anos - hoje o efetivo é de 2.400 dos servidores, mas o ideal seria em torno de 8 mil, para dar conta das demandas geradas pelo crescimento econômico brasileiro das últimas décadas, de acordo com estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea.

Os 700 mil trabalhadores que viram estatísticas - e cumpre registrar que o número seria maior, se não fosse a subnotificação de casos - são, sim, vítimas do descaso do governo, que não fortalece a fiscalização para que possam exigir o cumprimento pelas empresas das normas básicas de saúde e segurança no trabalho.

Para completar, a Escola Nacional de Inspeção do Trabalho - Enit não foi estruturada dentro do Ministério do Trabalho, o que garantiria a capacitação, formação e atualização permanente dos Auditores-Fiscais do Trabalho.
Mesmo assim, os Auditores-Fiscais do Trabalho se desdobram para superar as condições precárias em que precisam atuar. De 2011 a 2015, foram realizadas quase 700 mil ações fiscais em segurança e saúde no trabalho, que implicaram a regularização de situações que geravam risco para os trabalhadores. As interdições e embargos em episódios de grave e iminente risco alcançaram a soma de 25 mil, no mesmo período, constituindo-se numa das ações de maior expressão quando o tema é prevenção.

É inaceitável a banalização do fato de que, diariamente, milhares de trabalhadores não retornem a seus lares com vida ou em perfeita integridade física e psicológica. O Estado brasileiro precisa enfrentar a situação, mas infelizmente os movimentos recentes do governo apontam em direção contrária.

É o que indica a recente aprovação da lei da terceirização (Lei 13.429/2017), que permite a terceirização irrestrita. Ora, os trabalhadores terceirizados representam hoje 80% das vítimas de acidentes e adoecimentos ocupacionais. Se hoje os terceirizados são cerca de 12,7 milhões de trabalhadores, em pouco tempo este universo poderá praticamente quadriplicar, colocando sob risco a vida de outros milhões.

Aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 27 de abril, véspera do memorial às vítimas dos acidentes e adoecimentos ocupacionais, a reforma trabalhista promete ser outro agravante da situação, já que altera dispositivos relativos à jornada de trabalho e cria o trabalho intermitente, tirando do trabalhador elementos que possibilitam o respeito ao limite diário. É impossível estimar a que patamar de sangue os trabalhadores brasileiros serão levados.
As consequências dos acidentes e doenças do trabalho são graves para o trabalhador, para a sua família, para a produtividade do País e para a Previdência Social. Os custos estimados pela Organização Internacional do Trabalho - OIT decorrentes de acidentes laborais são de R$ 200 bilhões por ano, representando 4% do PIB nacional. Dados do Ministério Público do Trabalho indicam que as ações regressivas movidas pela União contra as empresas responsáveis por mortes e incapacitações podem chegar a R$ 200 milhões.

O Sinait aproveita o 28 de Abril, e também já reforçando a importância do Dia Mundial do Trabalho em 1º de Maio, para alertar o País sobre a gravidade do problema da perda de vidas e capacidade laboral causada pelos acidentes e adoecimentos ocupacionais. O Brasil não pode continuar passivo diante do aniquilamento de sua força produtiva. É hora de governo e sociedade reagirem para que a saúde e a segurança dos brasileiros no trabalho sejam respeitadas!
Comentários
washington perez Denuncie este comentário
excelente materia se nos nao tomarmos a frente este governo ilegitimo e sua corja vão continuar matando trabalhadores com esta leis de escravidão
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
Banner 06 - Saúde e Vida - Junho
AMB - Junho/2018
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Assine a Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital