Banner Bracol 1 Novembro
Promoção - Dicionário99
Banner 1 Marluvas - Set/Dez
Banner 01 - Marluvas - Dezembro
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
MPT defende fim da precificação da vida do trabalhador em CPI sobre Brumadinho
Data: 09/05/2019 / Fonte: Ministério Público do Trabalho

Brasília/DF - Durante audiência na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG), o Ministério Público do Trabalho (MPT) defendeu o fim da tarifação do dano moral individual em casos de morte. A reunião ocorreu nesta quinta-feira (9), na Câmara dos Deputados.

Em sua apresentação, o chefe da Assessoria Jurídica da Procuradoria-Geral do Trabalho (PGT), procurador Márcio Amazonas, prestou informações sobre a atuação do grupo de trabalho instituído pelo MPT para fiscalizar barragens em todo o território nacional e identificar aquelas que possuem maior grau de risco de rompimento.

Além disso, também foi detalhado o trabalho repressivo conduzido pelo Grupo Especial de Atuação Finalística (GEAF), composto por sete procuradores do MPT, e a ação civil pública ajuizada em março pelo MPT em Minas Gerais com o intuito de garantir às famílias das vítimas a reparação pela morte dos trabalhadores.

Márcio Amazonas também pediu a revogação do artigo 223-G da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), instituído pela reforma trabalhista, que determina a tarifação do dano moral individual em caso de morte em até 50 vezes o salário do empregado. "Esta Casa precisa dar uma resposta firme à sociedade de que a vida do trabalhador não vale menos que a vida de um consumidor ou de um turista", disse.

Segundo o procurador, a medida provocou a precificação da vida humana ao limitar o valor do dano moral. "Se um trabalhador da Vale tiver um salário de R$ 2 mil, o máximo que sua família pode ganhar a título de dano moral individual é R$ 100 mil. Para se ter uma noção, as famílias dos turistas que estavam hospedados na pousada pediram R$ 60 milhões a título de dano moral individual. Então veja que a sociedade brasileira não pode tutelar de maneira diferente o trabalhador dos demais cidadãos. A vida do trabalhador não pode valer menos do que a de um consumidor, do que a de um transeunte, do que a de uma pessoa não esteja ali trabalhando", afirmou.


Leia mais:
Comissão externa de Brumadinho aprova relatório com propostas sobre segurança de barragens
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
9     10     11     12     13     14     15     16     17     18
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital