Promoção - Dicionário99
Banner Bracol 1 Novembro
Banner 1 Marluvas - Set/Dez
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Leia na Edição do Mês
Leia na Edição do Mês
Aplicação e gerenciamento da NR 12 nas empresas têm eficácia avaliada

Beto Soares / Estúdio Boom
Data: 01/01/2015 / Fonte: Domingos José Modesto e André Gustavo Mazzini Bufon

A nova edição da NR 12 pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), em 2010, levou vários profissionais da área de segurança a verificarem as necessidades para atender a norma. As organizações nacionais ou multinacionais existentes no Brasil se estruturaram e se lançaram, durante décadas, no mercado de transformação de peças e produtos semiacabados para suprir uma cadeia de consumo muito crescente.

A implantação dessas empresas não foi baseada em uma normatização sobre a organização de máquinas, processos, segurança coletiva e segurança pessoal dos usuários, pois as leis vigentes no país não abrangiam todos os aspectos a serem observados no projeto da linha de produção. A partir da nova edição da NR 12, surgiu todo um questionamento sobre como adequar as empresas que estavam trabalhando há anos fora da norma.

As organizações que possuem máquinas e equipamentos procuram fornecedores nacionais e internacionais que os confeccionem para sua linha de produção, preocupando-se com o rendimento que irão proporcionar e não com a segurança necessária para prevenir acidentes. Os fornecedores, até a publicação da nova NR 12, não tinham como prioridade a segurança de quem utilizaria tais máquinas e equipamentos, e sim se a produtividade atenderia às expectativas dos clientes.

Atualmente, o que as empresas procuram são profissionais de segurança que dominem a NR 12 e realizem a adequação das máquinas e equipamentos dentro da sua realidade financeira. Os parques industriais desatualizados e obsoletos relacionam os trabalhos de adequação a cifras elevadas e fora da realidade financeira das empresas. Muitas delas, pressionadas pelos custos, optam por medidas de adequação que ficam aquém das necessidades reais de segurança, proporcionando uma falsa sensação de proteção.

A eficácia da norma será feita ao longo do tempo, após alguns anos de aplicação e da verificação das estatísticas de acidentes com máquinas e equipamentos. Este artigo buscou avaliar a aplicação e o gerenciamento com o uso da NR 12 nos diversos ambientes da empresa.

As empresas e os empresários não têm conhecimento da obrigatoriedade e da importância de adotar a NR 12. O conjunto de ações deverá ser implantado por todos os escalões, pois se trata de uma política de procedimentos de utilização dos recursos e de conscientizar os trabalhadores sobre os aspectos nocivos das máquinas sem uma proteção adequada. Segundo o engenheiro Álvaro Zocchio, são ações que todas as empresas devem adotar para evitar os efeitos negativos à saúde do trabalhador. Para tanto, é necessário um esforço conjunto de profissionais, empresas e poder público.

A NR 12 leva a área de engenharia, nas mais diversas disciplinas, a procurar soluções para melhorar os equipamentos capazes de mutilar ou de tirar uma vida. Com o objetivo de se adequarem à norma, as empresas devem adotar uma política de transição, fazendo o levantamento da atual situação de segurança e das ações emergenciais e futuras. Salienta-se que, durante a fase de adequação, tanto a empresa quanto o trabalhador estão sujeitos, respectivamente, a sanções e riscos.


Confira a reportagem completa na edição de janeiro da Revista Proteção.

 

 

Comentários
Ilandir Ferreira da Silva Denuncie este comentário
Parabéns pela reportagem,
Nilson Ney Denuncie este comentário
A nova edição da NR 12 veio para nos trazer maior responsabilidade e muito mas segurança para os operadores de maquinas e equipamentos, o problema é que alguns fabricantes ainda não se preocupam com isso e continuam fabricando máquinas ainda sem proteção nas zonas de riscos, principalmente as fabricantes de máquinas para o processo e beneficiamento de madeira, onde a incidência de acidente ´por esmagamento, corte e perda de membros no setor é muito alto, portanto, o MTEb deveria fiscalizar e exigir dos fabricantes "in loco" ,ou seja antes do equipamento sair da fabrica verificando o projeto de adequação entre outros. Resaltando tambem as empresas que fabricam maquinas e equipamentos de obra notamos a mesma situação, ou seja, ainda não se preocupam em fazer tais adequações , e quando o equipamento chega no canteiro de obra o empresário que assume a responsabilidade de adequar os equipamentos muitas das vezes a empresa recebendo auto de infração após serem auditadas pelos auditores do Ministério do Trabalho pela não conformidade junto a NR-12.
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Leia na Edição do Mês
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital