Promo Dezembro 2019 - Proteção
title='Clique aqui para ver mais sobre Fujiwara Banner 1 Dezembro'
Banner 1 Marluvas - Set/Dez
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
Trabalhadores da construção civil contam com grupo de apoio do Seconci-SP para dependentes químicos em São Paulo
Data: 16/06/2016 / Fonte: Divulgação CDN Comunicação

São Paulo/SP - De 2009 a 2013, o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) assistiu a uma explosão no número de concessões de auxílio-doença por problemas de saúde decorrentes de uso de álcool e outras drogas: passou de 32.824 para 49.271. Só em 2014, em média 125 pessoas foram afastadas do trabalho por dia no Brasil. Um total de 45.727 auxílios-doença foram concedidos ao longo do ano no país por esses motivos.

Diante desse quadro, o Seconci-SP (Serviço Social da Construção) oferece desde 2013 o Grupo de Apoio e Orientação no Tratamento Ambulatorial para Dependência Química. Com uma equipe multidisciplinar - psiquiatra, nutricionista e assistente social -, o grupo acolheu 208 participantes em 2015 e já registrou aumento em 2016, com uma média de 29 pacientes ao mês. As reuniões são mensais, gratuitas e abertas aos trabalhadores da construção e seus familiares, independentemente de a empregadora ser contribuinte ao Seconci-SP.

"A maior parte das pessoas que procura o grupo faz uso abusivo do álcool, seguido do crack, cocaína e maconha. Há também os casos de dependência cruzada, quando o dependente usa mais de uma dessas substâncias", explica Angela Nogueira Braga da Silva, coordenadora do setor de Serviço Social da entidade. "Normalmente, eles nos procuram quando os prejuízos já estão aparentes, como a iminente perda de emprego, da separação do cônjuge ou mesmo quando há risco de morte."

Por ser legalizada e de fácil acesso, a bebida alcoólica é mais frequentemente ingerida durante o expediente, o que aumenta o risco de acidentes no canteiro de obras. A sensação de prazer causada pelo álcool e também pelas drogas, porém, logo dá espaço à depressão, paranoia e, em alguns casos, até alucinação. "É importante ressaltar o caráter sigiloso do serviço, pois é comum nesses ambientes o preconceito, o estigma com relação à psiquiatria e, consequentemente, o desestímulo por parte dos colegas", completa Angela.

No grupo, os dependentes químicos passam pelo acolhimento, etapa em que se explica a doença, suas causas e consequências; e pela troca de experiências, quando o corpo profissional procura orientá-los a lidar com a ambivalência (prós e contras de parar de usar drogas) e a mudar os pensamentos automáticos (`álcool relaxa’). "Reconhecer gatilhos e alterar as rotinas que levam às drogas também é imprescindível", lembra a profissional.
Outro ponto de atenção são os hábitos alimentares dos dependentes químicos. O álcool e as drogas normalmente tiram a fome e os pacientes acabam apresentando carência de proteína. Por esse motivo, o acompanhamento da nutricionista é essencial. Ela também explica que os alimentos que contêm álcool devem ser banidos da dieta. O vinagre da salada, por exemplo, pode ser substituído por limão para evitar o risco de recaídas.

Com o objetivo de alertar os trabalhadores da construção para os perigos do consumo excessivo de álcool e drogas, o Seconci-SP promove palestras em canteiros de obra, nas quais o Grupo de Apoio é fortemente divulgado. Em 2015, foram realizadas 16 palestras sobre drogas lícitas e ilícitas, atingindo 1.345 trabalhadores.
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital