Banner 1 Marluvas - Set/Dez
Promo Dezembro 2019 - Proteção
title='Clique aqui para ver mais sobre Fujiwara Banner 1 Dezembro'
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
MPT recomenda novos coletes à prova de bala para policiais
Data: 20/02/2018 / Fonte: MPT/Paraíba

João Pessoa/PB - Após comprovar denúncia de que policiais civis da Paraíba estavam trabalhando com coletes balísticos vencidos, o Ministério Público do Trabalho na Paraíba (MPT-PB) expediu uma recomendação ao Estado para que novos Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs) fossem adquiridos.

Em 2017, o MPT-PB instaurou um inquérito civil (nº 652.2017) para apurar denúncia feita pela Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba (Aspol-PB) de que cerca de 90% dos policiais civis no Estado estariam saindo às ruas desprotegidos, com coletes à prova de balas fora da validade e, portanto, sem eficácia. Conforme a denúncia da Aspol, havia três lotes de coletes em uso, vencidos em 2011, 2014 e 2015.

Após investigação, o MPT constatou que "o contingente de policiais civis da Paraíba, incluídos os lotados no Instituto de Polícia Científica (IPC), é de, aproximadamente, 2,3 mil e a maioria desses policiais (incluídos aqueles que participam de operações "de campo", sujeitos a potenciais confrontos armados com criminosos) trabalha sem colete balístico ou com colete balístico com prazo de validade vencido".

Além disso, a última aquisição de coletes balísticos realizada pelo governo da Paraíba,  em favor da Polícia Civil, havia ocorrido em 3 de outubro de 2011.

Segundo apurou o MPT, há, inclusive, relatos de vários policiais civis que se recusaram a participar de operações "de campo" pelo fato de não disporem de colete balístico apropriado e que, em razão disso, sofreram medidas de retaliação por parte de superiores hierárquicos.

O procurador do Trabalho Flávio Gondim - autor do inquérito civil - destacou que o colete balístico constitui EPI do policial civil (pelo menos para aqueles que participam de operações `de campo’, sujeitos a potenciais confrontos armados com criminosos) e que a falta de fornecimento e de substituição dos coletes vencidos acarretam grave risco à integridade física e à vida dos policiais civis.

O procurador explicou que "incumbe ao Ministério Público do Trabalho, por força de determinação constitucional, a tutela dos interesses metaindividuais de índole laboral (Súmula n° 736 do STF, segundo a qual "compete à Justiça do Trabalho julgar as ações que tenham como causa de pedir o descumprimento de normas trabalhistas relativas à segurança, higiene e saúde dos trabalhadores").

Recomendação - Diante dos fatos, Gondim expediu, em julho de 2017, uma notificação, recomendando à Secretaria de Administração da Paraíba que providenciasse, no prazo máximo de 90 dias, a aquisição de novos coletes balísticos para a Polícia Civil, em quantidade compatível com a demanda de operações "de campo" existentes. Paralelamente, recomendou à Secretaria de Estado da Segurança que não exigisse e nem permitisse a participação de policiais em operações "de campo" sem o uso de colete ou com o colete vencido.

Na ocasião, o procurador também recomendou à Secretaria de Segurança que instituísse, no prazo de 30 dias, programa de perene monitoramento do prazo de validade dos coletes balísticos disponibilizados aos policiais civis, garantindo a periódica substituição dos mencionados equipamentos de proteção individual (antes da expiração do respectivo prazo de validade).

Na recomendação (expedida em 20 de julho de 2017), o MPT deu um prazo de 90 dias (até outubro de 2017) para que o Estado comprovasse, por meio de documentos, a adoção das medidas recomendadas, sob pena de serem adotadas providências judiciais e/ou extrajudiciais. Em 29 de setembro passado, a Secretaria de Administração informou, via ofício, que havia sido concluído o Pregão Presencial nº. 002/2017, para aquisição de 7,2 mil coletes balísticos. O MPT aguarda agora a comprovação de que os coletes foram adquiridos e entregues aos policiais, substituindo os equipamentos vencidos.
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital