Banner 01 - Promo Circulação -  Janeiro 2020 - proteção
Banner 1 - PoliUSP - Janeiro 2020
Banner 06 - Promo Circulação - Janeiro 2020 - proteção
Banner 1 - SESI RS - 17 a 27 Janeiro
Banner 1 - GRO - 2020
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias


Você está em: Noticias / Geral
Geral
Ministério do Trabalho faz 1.210 fiscalizações contra trabalho infantil em 17 estados

Marcello Casal JR/ABr
Data: 14/06/2016 / Fonte: Ministério do Trabalho

As superintendências regionais do Ministério do Trabalho em 17 estados* realizaram, durante o mês de maio, 1.210 fiscalizações e identificaram 83 crianças e adolescentes em situação irregular de trabalho. As ações foram focadas nas atividades que exigem contato com animais, parte da Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil, a Lista TIP (item 33).

"Os resultados apontam que, felizmente, o número de crianças e adolescentes envolvidos nessas atividades não é tão grande quanto se podia supor. Isso nos dá a perspectiva que as políticas públicas estão funcionando", ressalta o chefe da Divisão de Fiscalização do Trabalho Infantil do Ministério do Trabalho, Alberto de Souza.

A operação especial que antecede o mês em que é celebrado o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil (12 de junho) é desenvolvida pelo Ministério desde 2008. O foco é definido pelos coordenadores estaduais. Em 2015, a fiscalização foi direcionada a redes de fast food.

A erradicação do trabalho infantil é projeto obrigatório de fiscalização do Ministério do Trabalho. "Em cada estado e no Distrito Federal, as superintendências contam com auditores dedicados exclusivamente a este tema e são desenvolvidas ações durante todo o ano", explica Souza. O perfil de cada estado define a atuação anual de cada superintendência. A fiscalização foi iniciada nos anos 90.

Atuação - Entre 2004 e 2015 foram 46.992 operações e 63.925 crianças e adolescentes identificados em situação irregular. Neste período houve uma mudança no perfil do trabalho infantil. "Hoje, ele não é mais, basicamente, em locais públicos, como menores trabalhando na rua, ou em feiras livres. A maioria é dentro de empreendimentos", aponta Alberto de Souza.

O chefe da Divisão de Fiscalização do Trabalho Infantil ressalta que as ações não se resumem à fiscalização. É feito em articulação com a Rede de Proteção da Criança e do Adolescente, por meio de ações de sensibilização e prevenção. Outro fator é a articulação de políticas públicas, especialmente de educação e da Aprendizagem, cuja lei obriga empresas de médio e grande portes a contratar adolescentes e jovens entre 14 e 24 anos. Em 2015, mais de 400 mil adolescentes estavam inseridos no mercado de trabalho pelo Jovem Aprendiz.

O resultado é a redução sensível do número de crianças e adolescentes em situação de trabalho, como mostra a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE. Em 1992, eram 9,7 milhões de crianças e adolescentes nesta condição. Em 2014, 2,8 milhões. "O trabalho de combate ao trabalho infantil feito no Brasil é reconhecido internacionalmente. Infelizmente, houve uma tendência de interrupção da queda a partir de 2014. Gestores estão buscando alternativas para retomar a trajetória de declínio", destaca Souza.

Proteção - A Constituição Federal proíbe qualquer trabalho para menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz, a partir dos 14 anos. Para menores de 18 anos, é proibida atividade noturna (das 22h às 5h), perigosa ou insalubre, além das enquadradas nas Piores Formas de Trabalho Infantil (Convenção 182 da OIT).

"Há um senso comum que é melhor a criança trabalhar. Isto é um equívoco", afirma Souza, lembrando que estudos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) apontam que, quanto mais cedo se ingressa no mundo do trabalho, menor o estudo e menor a remuneração na vida adulta. O chefe da Divisão de Fiscalização do Trabalho Infantil aponta outro ponto negativo: a informalidade, que não assegura nenhum direito. "Quem entra no mundo laboral pela porta da informalidade tende a manter esta situação por toda a vida. Tem direitos negados quando é criança e tem nova negativa de direitos, no caso previdenciário, quando alcança a velhice."

História - O Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil foi instituído pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2002, data da apresentação do primeiro relatório global sobre o trabalho infantil na Conferência Anual do Trabalho. O objetivo da data é promover a sensibilização com relação ao tema e o engajamento da sociedade contra a persistência desta prática. No Brasil, o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil (12 de junho) foi instituído em 2007, pela Lei nº 11.542.

* AL, BA, CE, DF, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PI, PR, RJ, RN, RO, RR e SE
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital