Banner 01 - LCS - Novembri
Upgrade_em_SST_geral
Black Week Proteção 2018
P Assinatura Proteção digital banner 1
Banner 01 - RL USP - Novembro
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos 2018 - Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
Força-tarefa investiga condições de trabalho em arrozeira
Data: 04/12/2017 / Fonte: MPT/Rio Grande do Sul

Porto Alegre/RS - Começou nesta segunda-feira (4) a segunda operação da força-tarefa  pelo Ministério Público do Trabalho (MPT)  e do Ministério do Trabalho para fiscalizar  as condições de saúde e segurança nos postos de trabalho nas indústrias do setor arrozeiro do Rio Grande do Sul. O alvo é a filial da unidade industrial Pelotas, da Nelson Wendt & Cia (nome fantasia Nelson Wendt Alimentos).

A empresa possui 157 trabalhadores e funciona em três turnos, de oito horas cada, de segunda-feira à sábado. O empregador foi notificado para disponibilizar, até às 10h desta terça-feira, 57 documentos. Os documentos instruirão inquérito civil (IC) que acompanhará as adequações das condições de saúde e segurança nos postos de trabalho nas arrozeiras. A inspeção é composta por 17 integrantes, sendo que pelo MPT a coordenação é do procurador Rafael Foresti Pego.

A primeira ação da força-tarefa foi realizada em agosto, na SLC Alimentos (Capão do Leão) e resultou na interdição de máquinas e atividades que apresentavam grave e iminente risco aos 340 empregados. A desinterdição condicional (resolvidos os problemas de grave e iminente risco) foi realizada em 13 de setembro, ocasionando 22 dias sem produção na planta.

Apenas na região de Pelotas, a estimativa é de que haja pelo menos 2 mil empregados no setor da produção de arroz. Cinco das sete maiores arrozeiras do Estado, responsável por 63% da produção nacional, estão na região de Pelotas. De acordo com dados do Instituto Rio Grandense do Arroz (IRGA), das 50 maiores empresas beneficiadoras no Estado, as 10 maiores concentram 48,03% da produção.

A decisão de constituir a força-tarefa se deu a partir de encaminhamento de pesquisa sobre condições de trabalho no setor, realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), por iniciativa da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins. Duas audiências públicas foram realizadas pelo MPT em 2016 para debater o tema: uma em Pelotas, em abril, e outra em Alegrete, em maio.

O MPT-RS desenvolve mais duas forças-tarefa. A primeira é nos frigoríficos, desde janeiro de 2014, com 45 operações até agora. A segunda é nos hospitais, desde julho de 2016, com 8 ações até o momento.
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital