Promoção - Dicionário99
Banner 1 Marluvas - Set/Dez
Banner Bracol 1 Novembro
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
Entenda o processo anunciado pela Vale para acabar com barragens iguais às de Mariana e Brumadinho
Data: 30/01/2019 / Fonte: G1

Brumadinho/MG - O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, anunciou nesta terça-feira (29) que irá fazer o descomissionamento das barragens com o chamado alteamento a montante, método utilizado nas estruturas que se romperam provocando tragédias em Mariana (MG), em novembro de 2015, e em Brumadinho (MG), na semana passada. Na prática, isso quer dizer que a empresa pretende "acabar" com as barragens desse tipo.

As dez barragens a montante da Vale que ainda não foram eliminadas estão inativas - ou seja, já não recebem mais rejeitos. Agora, com o processo de descomissionamento, a empresa pretende eliminá-las.

Schvartsman apontou que as possibilidades são esvaziar as barragens ou integrá-las ao meio ambiente: "Descomissionar significa deixa de ser barragens. São esvaziadas ou integradas ao meio ambiente".

Em nota, a Vale disse que serão necessários três anos e R$ 5 bilhões para "descaracterizar as estruturas como barragens de rejeitos para reintegrá-las ao meio ambiente". A mineradora estima que o processo de descomissionamento ocorrerá ao longo dos próximos 3 anos.

Segundo a empresa, além da barragem do Córrego do Feijão, que rompeu em Brumadinho, serão desativadas 9 estruturas localizadas nas unidades de Abóboras, Vargem Grande, Capitão do Mato e Tamanduá, no complexo Vargem Grande, e de Jangada, Fábrica, Segredo, João Pereira e Alto Bandeira, no complexo Paraopebas, todas em Minas Gerais.

Especialistas ouvidos pelo G1 explicam que existem diferentes possibilidades para o trabalho de descomissionamento, com custos, efeitos e riscos diferentes.

Uma delas, segundo o Professor do Departamento de Geociências da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Miguel Fernandes Felippe, consiste em retirar os rejeitos das barragens por um processo de dragagem - na prática, os resíduos armazenados são "sugados" para fora da barragem.

Depois disso, a empresa avalia qual a possibilidade de aproveitar parte do material. O que não for utilizado, então, é separado. A água que puder ser retirada pode ser armazenada em outra barragem ou, se tiver condições, voltar aos rios.

Já os resíduos sólidos, ainda de acordo com Felippe, podem ser enviados a outra barragem, a um deposito seco ou até mesmo utilizado nas cavas das minas que já foram esgotadas - ou seja, os "buracos" causados pela empresa na exploração de minério seriam preenchidos com os resíduos da própria operação.

Em seguida, as estruturas da barragem são retiradas do local para que se comece o processo de recuperação do solo e reflorestamento. "Quando se fala em descomissionamento, a gente espera também a recuperação ambiental da área. Tem que reintegrar os elementos daquele ambiente, trazer o rio de volta, reconstituir a vegetação", diz Felippe.

Mas o professor ressalva que todo esse processo depende de uma série de fatores, como a composição dos rejeitos e do solo. "Tem uma série de possibilidades técnicas", aponta.

Paulo Lanzarotto, professor de engenharia da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), aponta que esse processo é bastante caro. Ele explica que uma alternativa mais barata prevê drenar a parte líquida dos rejeitos, cobrir o restante com terra e iniciar o processo de reflorestamento.

A vantagem, segundo ele, é a de eliminar os riscos de comprometimento da estrutura com infiltrações.

"Não tem mais acúmulo de água, porque a vegetação vai absorver", diz Lanzarotto. Mas ele explica que os riscos de deslizamento pela pressão dos rejeitos continuam existindo. "Minimiza o risco por ter uma camada vegetal por cima, mas ele continua existindo. É muito parecido com o risco de uma superfície natural e inclinada."

Os especialistas afirmam que não existe uma possibilidade 100% segura.

"Não existe risco zero. Qualquer que seja a estrutura ou tecnologia, vai gerar algum tipo de risco. Por isso que o monitoramento é importante", alerta Felippe.

Carlos Barreira Martinez, pesquisador da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em engenharia hidráulica, também diz que o processo de descomissionamento não é simples e tem um custo elevado. Portanto não representa uma solução rápida para reduzir os riscos das barragens construídas pelo método de alteamento a montante.

"Vamos ter que entrar num processo de descomissionamento dessas barragens e tentar mitigar isso ao longo do tempo."


Leia mais:
Mais de 200 barragens em MG são classificadas como de alto potencial de dano e cinco como de alto risco, segundo ANA
Buscas são retomadas pelo 6º dia em Brumadinho/MG
Veja histórias de quem sobreviveu por pouco ao rompimento da barragem em Brumadinho
Governo Federal determina inspeção em todas as barragens vulneráveis no País
É a maior tragédia trabalhista do Brasil, diz Ronaldo Fleury
Governo publica resolução que determina fiscalização de barragens
MPT vai avaliar eventuais falhas de SST em mineradora de MG
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital