Banner 01 - Promo Circulação -  Outubro 2019 - proteção
Banner 01 - Ansell
Fujiwara Banner 1 Outubro
Banner 1 - UniSafety - 3
Banner 1 Marluvas - Set/Dez
Banner 01 - Marluvas - Dezembro
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
Em 6 anos, acidentes de trabalho na região de Ribeirão causam impacto de R$ 248,1 milhões na Previdência
Data: 29/03/2018 / Fonte: G1

Ribeirão Preto/SP - Os afastamentos motivados por acidentes de trabalho causaram, em seis anos, um impacto previdenciário de R$ 248,1 milhões em toda a região de Ribeirão Preto (SP), aponta um levantamento feito pelo G1 com base em dados do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Os números disponibilizados pelo Observatório Digital de Segurança e Saúde do Trabalho contabilizam registros entre 2012 e 2017 e referem-se à concessão de 28.550 auxílios-doença decorrentes de lesões funcionais de empregados com carteira assinada em 66 cidades.

Superior ao Produto Interno Bruto (PIB) de 25 cidades da região, o montante total gasto pela União é quase equivalente, por exemplo, ao que Colômbia (SP), município de 6,2 mil habitantes no nordeste paulista, movimenta por ano em sua economia.

O valor também representa quase nove vezes mais do que Taquaral (SP) gera em riquezas.

As cidades mais populosas da região - Ribeirão, Franca (SP), Barretos (SP) e Sertãozinho (SP) - concentram a maior parte das ocorrências, sobretudo relacionadas a fraturas nas mãos, mas são acompanhadas por municípios menores, como Guaíra (SP).

Restaurantes, atendimento hospitalar e produção de açúcar, etanol e calçados estão entre os que mais contribuíram para esses casos.

Para a procuradora regional do Trabalho Regina Duarte da Silva, os números resultam do descumprimento das normas reguladoras de segurança nas empresas, que repercutem na falta de treinamentos adequados e de equipamentos de proteção individual, além de jornadas excessivas.

"O acidente muitas vezes nem mereceria esse nome de acidente, que é um fato inesperado. Às vezes é plenamente evitável se fossem tomadas as medidas de segurança", analisa.

Afastamentos no trabalho
Ribeirão Preto lidera a lista com indenizações da ordem de R$ 54,2 milhões referentes a 6.643 afastamentos, sobretudo ocorridos em restaurantes e redes de serviço, além de atendimentos hospitalares. As fraturas nas mãos e nas pernas são as mais comuns.

"Em restaurantes e bares, a parte do corpo mais utilizada são os membros superiores, as mãos, inclusive ele [funcionário] tem contato com perfuro-cortantes, com faca, espeto. Não havendo cuidados necessários são esses os órgãos que serão mais atingidos", afirma Regina.

Em seguida aparece Franca (SP), com despesas de R$ 29,2 milhões referentes 4.359 ocorrências que levaram o funcionário a deixar temporariamente suas funções, sobretudo na indústria calçadista, que concentra 20% dos casos, em situações geralmente ligadas a fraturas nas mãos, pernas, braços e ombros.

Em Barretos (SP), as 1.785 ocorrências levaram a um impacto de R$ 26,8 milhões, principalmente em função de fraturas nos punhos e nas mãos e problemas de coluna cervical sofridas por pessoas que atuam no atendimento hospitalar (13,18%) e na fabricação de produtos de carne (10%).

A produção de açúcar bruto e a fabricação de equipamentos industriais foram alguns dos segmentos que mais levaram às 1.823 ausências de trabalhadores, que geraram gastos de R$ 12,4 milhões, também em função de fraturas e ferimentos de punho, mão, além de pernas e antebraço.

Na sequência, destaca-se Guaíra, município de 40 mil habitantes onde os 653 casos registrados pelo observatório geraram um impacto previdenciário de R$ 11 milhões.

A fabricação de etanol, com 18% dos casos registrados, e a moagem e fabricação de produtos de origem vegetal - com 16% - foram os segmentos que mais concentraram afastamentos entre 2012 e 2017 na cidade.

Os números levantados pelo Observatório Digital, segundo a procuradora, poderiam ser ainda maiores, já que não são contabilizados os trabalhadores informais.

"Houve uma redução drástica no número de postos de trabalho. A gente atingiu índices nunca vistos de desempregados. Quando esse número começou a cair passou a ser trabalho informal e o trabalho informal não é computado nesses índices. Então os acidentes são muito grandes, continuam ocorrendo, mas na informalidade."

Prevenção e fiscalização
Segundo a procuradora, a redução desses afastamentos passa por programas de prevenção de acidentes e de avaliações médicas das empresas, mas também depende do combate a práticas como a sobrejornada, recorrente na recessão econômica.

"A sobrejornada é um fator importantíssimo para a ocorrência de acidentes, porque toda vez que a gente trabalha cansado a gente está mais desatento, menos propício a observar as regras de segurança."

O Ministério Público do Trabalho realiza fiscalizações nos municípios, mas a demanda é extensa, diz Regina. "A gente não consegue. Acaba que a gente fica trabalhando muito na tutela reparatória, que é depois que o acidente aconteceu, e muito pouco na tutela preventiva."
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital