Fujiwara - banner 1 - SET
Delta Plus - Diamonddv - banner 01 - setembro
banner 01 - Anuario 2017
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P IBTEC banner 4
P Revista Emergência Digital Banner 5
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Geral
Geral
Como a violência urbana afeta a saúde mental do trabalhador
Data: 11/07/2017 / Fonte: CMR Comunicação

Qualquer pessoa está sujeita à violência urbana, cujas estatísticas no Brasil continuam alarmantes. Entre 2011 e 2015, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a violência no país matou mais pessoas que a Guerra da Síria no mesmo período. A violência urbana também permeia o mundo do trabalho sob diversas formas e motivada por diferentes fatores. De acordo com a psicóloga da Fundacentro, Daniela Sanches Tavares, um exemplo é quando ocorre a privação de direitos sociais básicos do cidadão, expondo o trabalhador que presta serviços em condições precárias a agressões e conflitos.

"Essa é uma faceta da violência pouco discutida. É importante lembrar que entre o cidadão insatisfeito e o Estado existe um agente público vulnerável a uma agressão, como é caso de um pai que não consegue matricular o filho na escola ou receber atendimento médico", explica Daniela. Ela lembra que o adoecimento não se dá apenas pela ocorrência de um evento violento, mas pelo convívio diário com situações de conflito e de risco iminente, como é o caso também do trabalhador que transporta valores.

Em entrevista ao podcast Podprevenir, a especialista chama a atenção para a deficiência no diagnóstico da causa do adoecimento nos casos de violência, bem como para o alto índice de subnotificação das ocorrências, o que dificulta a discussão de políticas públicas para prevenção e tratamento. "Muitas vezes, as organizações se voltam mais para o episódio, para o prejuízo patrimonial, identificação de culpados, negligenciando a situação do trabalhador que sofreu a agressão", complementa a psicóloga.

Para ouvir a entrevista completa da psicóloga da Fundacentro, acesse aqui. O Podprevenir também pode ser acompanhado na versão mobile.
Comentários
Antonio Jose Oliveira Rodrigues Denuncie este comentário
IMAGINE VOCÊ NO RETORNO DE SEU TRABALHO JÁ TER SIDO ASSALTADO POR DUAS OU MAIS VEZES, COMO SE NÃO BASTASSE SEU CHEFE E UM CARA DITADOR, PENSA O PSICO SOCIAL DESSE TRABALHADOR .
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
AmbLegis banner6 - 09/17
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Assine a Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital