Banner 1 - SESI RS - 21/1 a 11/2
Banner 1 - GRO - 2020
Banner 1 - PoliUSP - Janeiro 2020
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias


Você está em: Noticias / Geral
Geral
2018: o ano de implementação da reforma trabalhista
Data: 28/12/2017 / Fonte: Jota - Livia Scocuglia

Passadas as especulações antes da vigência da reforma trabalhista (Lei 13.467/2017), o ano de 2018 será de consolidação das novas regras. Restam agora as expectativas em relação à aplicação da norma pelo Judiciário e sobre as consequências para o empregado e para o empregador.

Segundo especialistas, ainda não é possível prever o resultado das mudanças nas relações de trabalho, ainda mais com as emendas propostas para a Medida Provisória 808, que altera pontos da nova legislação. Somado a isso estão as opiniões divergentes sobre o futuro da norma.

Enquanto alguns acreditam que haverá uma piora nas relações de trabalho em relação à saúde e segurança dos trabalhadores, outros apostam na diminuição da taxa de desemprego. Além disso, há a aposta para um aumento de demandas no Judiciário e para dificuldades de interpretação pela Justiça.

Economia formal
Segundo o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra Martins Filho, a reforma trabalhista promovida pela Lei 13.467, com a Medida Provisória 808, possui a potencialidade de trazer para a economia formal milhões de trabalhadores, para reduzir substancialmente a taxa de desemprego, ao dar segurança jurídica às empresas para contratar.

"Com isso, a expectativa é a da redução de ações e de recursos na Justiça do Trabalho, que poderá solucionar os litígios com maior celeridade e eficácia", afirmou.

Tribunal preparado
Já o vice-presidente do TST, ministro Emmanoel Pereira, diz que a Justiça do Trabalho está preparada para enfrentar as mudanças que serão postas em prática com nova regra.

"Estou certo da disposição dos magistrados em recepcionar as transformações em uma legislação que contava com 74 anos de idade", ressaltou.

Segundo Pereira, a pacificação dos conflitos de acordo com o novo regramento ocorrerá paulatinamente, no decorrer dos próximos cinco anos, por meio da edição de Súmulas, das doutrinas a serem publicadas e da jurisprudência que passará, progressivamente, pelo processo de uniformização.

"O novo não é imediatamente aceito. Ele conquista seu lugar com o decorrer do tempo. Como Nicolau Maquiavel sabiamente expressou, `nada mais difícil de manejar, mais perigoso de conduzir, ou de mais incerto sucesso do que liderar a introdução de uma nova ordem de coisas’. É isso que vivenciaremos agora: o novo", afirmou.

Piora nas relações de trabalho
O procurador federal de Brasília Fernando Maciel aposta que no ano que vem haverá uma "sensível piora" nas relações de trabalho, principalmente no que diz respeito à saúde e segurança dos trabalhadores.

"A reforma produz reflexos que tendem a aumentar o número de acidentes e doenças ocupacionais, com a terceirização, a jornada 12 por 36, a redução do intervalo intrajornada para 30 minutos, o trabalho da gestante/lactante em locais insalubres e o teletrabalho", diz.

Sobre a terceirização, o procurador afirmou que estatísticas mostram que trabalhadores terceirizados sofrem mais acidentes do que efetivos. Ele citou uma pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) na Petrobras que apontou que de cada 10 mortes oito envolveram terceirizados. "O setor elétrico também faz uso intenso da terceirização, sendo que o número de mortes desses trabalhadores é infinitamente maior do que os efetivos", explicou.

Distribuição de processos
Para o presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, houve uma "falsa impressão" sobre os dados de distribuição de processos na semana posterior à entrada em vigor da reforma.

"De fato os números caíram, mas porque na semana anterior houve uma distribuição concentrada de todas as ações que já estavam em vias de apresentação por vários escritórios de advocacia. Isso aconteceu pelo receio de boa parte da advocacia e jurisdicionados quanto ao que viria com a entrada em vigor e inclusive para que processos antigos pudessem se aproveitar das regras da lei antiga, geralmente mais favoráveis para quem reclama", ressaltou.

Segundo Feliciano, a análise desses números revela que houve um "pico de distribuição" na semana anterior e, como já não havia ações a propor, ocorreu uma redução drástica na semana seguinte.

"Para 2018 o mais provável é que a média se equalize e nós tenhamos algo semelhante ao que tivemos em 2017 ou até mesmo um acréscimo, porque em várias passagens a lei da reforma trabalhista acaba trazendo novos elementos para judicialização e mesmo fomentando a multiplicação de ações", afirmou.

Como exemplo, Feliciano afirmou que alguns advogados já estão sugerindo a necessidade de uma ação cautelar para produção antecipada de prova, como cartões de ponto, para que sejam liquidados os pedidos de horas extras e se ingresse com a reclamação trabalhista. "Ou seja, o que seria uma ação, agora passa a ser duas". concluiu.

Tempo ao tempo
"Todas as transformações precisam de um tempo de acomodação para a percepção do que é bom e do que mereceria uma revisão". É o que afirma o professor de direito do trabalho da FGV, Paulo Sérgio João.

A expectativa dele é que quando a reforma trabalhista terminar e não tiver mais "suspiros desesperados de alteração como da MP 808", talvez tenhamos aprendido com o novo modelo durante o 2018, ano de eleições no país.

Segundo o professor, a lei tende a ser praticada e as dificuldades de interpretação surgirão, mas é preciso que não haja temor na sua aplicação para encontrar um caminho mais seguro tanto para trabalhadores como para as empresas.

Ambiente seguro
O advogado trabalhista Daniel Chiode afirmou ter a percepção de que a atual composição do TST e as futuras composições de presidência, vice e corregedoria do tribunal confiram um ambiente de segurança jurídica com a aplicação da reforma e responsabilidade do Judiciário em criar um ambiente de segurança jurídica.

"Temos um cenário de curto e médio prazo que apontam para direções do TST bastante responsáveis em relação ao papel deles e da reforma. Eu vejo um TST aberto a reflexão, a ouvir a exposição de opiniões republicanas e democráticas, e vejo que pelo menos pelos próximos quatro anos a direção do tribunal tende a conduzir as questões da reforma com bastante segurança jurídica ", afirmou.

Equilíbrio
O advogado trabalhista James Siqueira acredita que a nova norma vai racionalizar a Justiça do trabalho e gerar um equilíbrio na quantidade de ações.

"Há muito exagero em relação à quantidade de ações. Com a nova regra haverá um equilíbrio, já que existem critérios para apresentar processos, receber assistência gratuita e consequências para a parte que perde a ação", afirmou.

Além disso, o advogado afirma que a possibilidade de prevalência do negociado sobre o legislado deve trazer segurança jurídica tanto para o trabalhador quando para o empregado.

O advogado explica que a lei autoriza a flexibilização de direitos que não são constitucionais, como direito à saúde, à higiene e à segurança do trabalho. Com isso, afirma, caso haja a nulidade de uma cláusula que foi negociada entre sindicato e empregados, os benefícios concedidos ao empregado em troca daquela cláusula também serão retirados.
"É um avanço muito grande. A situação vai fortalecer sindicatos atuantes e que representam a categoria dos empregados. Além disso, como a escolha é facultativa, o empregado vai escolher um sindicato forte e atuante", concluiu.
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Geral
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital