Banner 01 -RL USP Novembro
Delta Plus - Diamonddv - banner 01 - novembro
Banner 01 - Poli USP Novembro
Banner 01 - Promo Natal 2017
banner 01 - Anuario 2017
Banner 01 - Marluvas - Novembro17
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P Revista Proteção Digital Banner 4
P Revista Emergência Digital Banner 5
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Estatísticas
Estatísticas
RS segue com o 3º maior índice de acidentes de trabalho
Data: 28/04/2016 / Fonte: TRT/Rio Grade do Sul

Hoje, 28 de abril, é o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalhos e Doenças Ocupacionais. A data foi instituída em 2003 pela Organização Internacional do Trabalho. O dia 28 foi escolhido porque nesta data, em 1969, ocorreu uma explosão em uma mina na cidade de Farminghton, nos Estados Unidos, matando 78 trabalhadores.

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), por meio do Programa Trabalho Seguro, aproveita a oportunidade para destacar a grave situação dos acidentes de trabalho no Brasil e no Rio Grande do Sul, e também para ressaltar a importância da prevenção.

Brasil
Conforme o último Anuário Estatístico da Previdência Social, divulgado em 31 de março deste ano e referente a 2014, ocorreram 704.136 acidentes no país, naquele ano. O número representa decréscimo de 2,97% com relação a 2013, quando foram registrados 725.664 acidentes. O Anuário também revela que os acidentes de trabalho provocaram 2.783 mortes no Brasil ao longo de 2014. Isso significa que, a cada dia, mais de sete trabalhadores perderam a vida na sua atividade profissional.

Rio Grande do Sul
No Rio Grande do Sul, foram registrados 59.658 acidentes de trabalho em 2014, praticamente o mesmo patamar de 2013, quando foram contabilizados 59.950. Com esse número, o Estado ocupa a terceira posição no ranking nacional, ficando atrás apenas de São Paulo (239.280) e Minas Gerais (73.649). Os acidentes de trabalho no território gaúcho resultaram em 159 mortes (19 a mais que em 2013) e 1.002 trabalhadores ficaram com incapacidade permanente.

Quadro alarmante
Embora as estatísticas apontem pequena redução no número de acidentes no país e certa estabilidade no contexto regional, o desembargador Raul Zoratto Sanvicente, coordenador do Programa Trabalho Seguro no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), avalia que a situação continua alarmante. O magistrado destaca que a Previdência registra apenas os acidentes de trabalhadores com carteira assinada. No caso dos trabalhadores informais ou autônomos, que não aparecem nas estatísticas, os índices provavelmente são ainda maiores.

Terceirização agrava o problema
Para o desembargador, o Projeto de Lei da Câmara nº 30 de 2015, que está em tramitação no Senado e visa à terceirização inclusive das atividades-fim, é uma ameaça de agravamento do problema. No seu entendimento, a terceirização traz maiores riscos para a ocorrência de acidentes, pois ela implica relações precarizadas de trabalho. Estudos indicam que, a cada 10 acidentes laborais, oito ocorrem em atividades terceirizadas. E a cada cinco mortes no trabalho, quatro acontecem na terceirização.

Prejuízo para todos os lados
Além do grande sofrimento que geram às vítimas e suas famílias, os acidentes também causam prejuízos às empresas e à sociedade como um todo. Conforme os dados do Anuário Estatístico, a Previdência Social desembolsou cerca de R$ 9,3 bilhões em benefícios relacionados a acidentes ou doenças de trabalho em 2014. Há prejuízos, também, para as empresas, como: a interdição do setor ou da máquina que a vítima operava, a contratação e o treinamento de substituto, o pagamento de indenizações (danos materiais, danos morais e pensões vitalícias) na Justiça do Trabalho, honorários e custas em ações judiciais, responsabilização criminal dos dirigentes, dentre outros.

Impacto no Justiça do Trabalho

Em 2015, foram ajuizadas cerca de 11 mil ações evolvendo acidentes de trabalho na Justiça do Trabalho do Rio Grande do Sul. Devido à alta demanda e às particularidades da matéria, duas cidades gaúchas contam com uma Vara do Trabalho específica para julgar esse tipo de ação: Porto Alegre (30ª VT) e Caxias do Sul (6ª VT).

Importância da prevenção
Para o desembargador Raul Sanvicente, uma das principais causas para o elevado número de acidentes é a falta de uma cultura forte de prevenção. "É errado atribuir os acidentes à fatalidade ou ao infortúnio. Os empregadores e os empregados, através de suas entidades representativas, devem investir mais na prevenção. É necessário fazer uma análise dos riscos de cada atividade, e criar um plano preventivo contra eles. Diante dos acidentes já ocorridos, é possível observar alguns padrões, causas que se repetem - estas devem ser o foco inicial da prevenção", afirma. O magistrado explica que, mesmo nos casos em que as empresas atribuem a culpa do acidente ao empregado, é preciso averiguar as circunstâncias do fato. "Pode ser que o trabalhador tenha cometido um erro, mas ainda assim há uma série de questões que devem ser analisadas. Por exemplo: quantos horas ele trabalhava por dia? Ele recebeu treinamento e equipamentos de segurança adequados?"
As doenças ocupacionais, que contam como acidentes de trabalho nas estatísticas, são outro aspecto importante do problema. O adoecimento físico e psíquico do trabalhador é um processo silencioso, mais difícil de detectar do que o acidente típico. Nesses casos, a cultura preventiva é fundamental. "É importante identificar as doenças que mais acometem os empregados, investigar as causas e adotar medidas que evitem danos à saúde", afirma o juiz Luiz Antonio Colussi, titular da 30ª Vara do Trabalho de Porto Alegre e um dos gestores nacionais do Programa Trabalho Seguro.

Setores mais afetados
De acordo com a Previdência Social, os setores que apresentaram maiores índices de acidentes de trabalho típicos em 2014 foram o "Comércio e reparação de veículos automotores" (com 13,13% do total) e a "Saúde e Serviços Sociais" (12,87%). Com relação às doenças de trabalho, os maiores índices foram verificados nos setores "Atividades Financeiras" (17,6% do total) e "Fabricação de veículos e equipamentos de transportes" (10,16%). Entre os trabalhadores acidentados, 68% são homens. A faixa etária mais atingida foi a de 30 a 34 anos, com 117.367 acidentes, representando 16,7% do total.

Acidentes de trabalho - Brasil
2012: 713.984
2013: 725.664
2014: 704.136

Mortes em acidentes - Brasil
2012: 2.768
2013: 2.841
2014: 2.783

Incapacidade permanentes - Brasil

2012: 17.047
2013: 17.030
2014: 13.833

Acidentes do Trabalho - Rio Grande do Sul
2012: 55.397
2013: 59.950
2014: 59.658

Mortes em Acidentes - Rio Grande do Sul
2012: 166
2013: 141
2014: 159

Incapacidades permanentes - Rio Grande do Sul
2012: 1312
2013: 1228
2014: 1002
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Estatísticas
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
AmbLegis banner6 - 11/17
Banner 06 - Praevenir - Nov
Banner 06 - PrevenirES
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Assine a Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital