Banner 1 Marluvas - Set/Dez
Banner Bracol 1 Novembro
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Noticias / Doenças Ocupacionais
Doenças Ocupacionais
Doenças silenciosas ameaçam trabalhadores de postos de combustíveis
Data: 11/03/2016 / Fonte: SINPOSPETRO/RJ

Rio de Janeiro/RJ - Além do benzeno, os frentistas encontram no ambiente de trabalho situações que são tão prejudiciais à saúde quanto o produto químico e cancerígeno, contido na gasolina. O alerta foi dado, nesta quinta-feira (10) durante o I Seminário de Saúde e Segurança do Sul do Estado, realizado pelo SINPOSPETRO-RJ, em Barra Mansa.

Pesquisas científicas comprovam que trabalhar em pé por várias horas pode ocasionar a formação de varizes. A má vascularização é tão preocupante quanto o benzeno, já que pode levar à morte em consequência do entupimento das veias. Ao expor o assunto, o professor   Claude Chambriard chamou a atenção dos trabalhadores para o problema, que muitas vezes só aparece depois da aposentadoria e não é caracterizado doença do trabalho.

BENZENO
Ao falar sobre a " Exposição Ocupacional ao  Benzeno",  o médico do trabalho e Coordenador da Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNBz), Carlos Eduardo, destacou a importância da relação do sindicato com os trabalhadores e o desenvolvimento de projetos que orientam a categoria. Com relação a saúde do trabalhador, ele frisou que a exposição ao benzeno acontece de forma agressiva, já que a gasolina contém obrigatoriamente um por cento do produto. Segundo ele, alguns fabricantes de bombas informam que para cada mil litros de gasolina vendidos, 1,3% evaporam. Carlos Eduardo frisou que o problema é grave não só para o trabalhador, mas para a comunidade em geral, já que o vapor da gasolina tem benzeno.

Já o Coordenador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) , Antônio Sérgio de Almeida Fonseca, chamou a atenção para as doenças crônicas, silenciosas, como o benzenismo, que são difíceis de identificar. Segundo ele, a relação da doença se dá através da observação de uma rotina de atendimento médico, com a avaliação dos hemogramas e o histórico ocupacional do trabalhador. Ele disse que o trabalhador do posto de combustíveis deve ficar atento a possíveis alterações nos exames hematológicos que podem estar ligadas a exposição ao benzeno.

Ao apresentar sua exposição sobre a pesquisa "Avaliação da Exposição Ocupacional ao Benzeno em Posto de Combustíveis no Município do Rio de Janeiro", o farmacêutico, Leandro Vargas Barreto, técnico FIOCRUZ, disse que cerca de dois milhões de trabalhadores estão expostos ao benzeno no mundo. Ele destacou que é preciso desenvolver um trabalho com empresas, sindicatos e órgãos públicos para reduzir os riscos de contaminação.

NR 20 FISCALIZAÇÃO
Para o auditor-fiscal do trabalho de Volta Redonda, José Olímpio dos Santos Neto nem todas as empresas estão preparadas para receber e se adequarem as especificações da NR 20, que trata sobre segurança e saúde nos postos de combustíveis. Ao falar sobre a Norma Regulamentadora, ele disse que o Ministério do Trabalho ao fiscalizar os postos do Sul do Estado têm orientado os proprietários sobre a implantação da NR 20. Segundo ele ao notificar as empresas, o MT dá um prazo de até seis meses, para que a norma seja implantada.

APOSENTADORIA ESPECIAL
Ao falar sobre "Aposentadoria Especial como Direito Para os Trabalhadores dos Postos de Combustíveis", o presidente do Sindicato dos Frentistas de Niterói e advogado Alexandro Silva, destacou que comprovar a aposentadoria especial não é tão fácil como se imagina. De acordo com ele, o frentista nunca se enquadrou na aposentadoria especial por categoria, mas sim pelo agente nocivo. Ele afirmou que é mais fácil conseguir a aposentadoria especial pela exposição ao ruído do que por agentes nocivos.

INCLUSÃO DE DEFICIENTES
Ao palestrar sobre a inclusão de deficientes no mercado de trabalho, o médico e auditor-fiscal, Narciso Guedes, disse que as barreiras físicas não são difíceis de serem superadas, mas as de semelhança sim. " O difícil não é aceitar o outro, mas se ver no outro, pois somos frágeis e vulneráveis a uma série de fatores. Assim surge a resistência para dar oportunidade de trabalho ao deficiente".

ABERTURA
Os trabalhadores de todo o país devem se unir para evitar que projetos que retiram  direitos sejam aprovados no Congresso Nacional. Na abertura do I Seminário de Segurança e Saúde do Sul do Estado, o presidente do SINPOSPETRO-RJ, Eusébio Pinto Neto, disse que o momento atual do país requer a união da classe trabalhadora. Ele chamou a atenção para as mudanças que estão sendo preparadas e citou como exemplo as alterações nas Consolidações das Leis Trabalhistas(CLT). Segundo ele, desde a abertura democrática, o país não vivia um momento tão difícil, de incertezas políticas e ataques aos direitos dos trabalhadores.

Eusébio Pinto Neto informou que a rotatividade da mão de obra e a distribuição geográfica das empresas dificultam o trabalho de conscientização sobre os riscos de acidentes e danos à saúde provocados pela exposição no ambiente dos postos de combustíveis. Ele afirmou que a educação é o caminho para esclarecer a categoria e tornar o ambiente de trabalho mais seguro. Eusébio informou que o grande objetivo do seminário é propagar as informações apresentadas no evento. " O trabalhador precisa tomar consciência dos seus direitos e cobrar das empresas o cumprimento das normas de segurança que garantem a extensão da vida. A qualificação é muito importante para valorização da mão de obra".

ACIDENTES
Trabalhadores e palestrantes presentes ao seminário fizeram um minuto de silêncio em memória dos funcionários de postos de combustíveis, que morreram nesta semana, em consequência de explosões. Júlio César Oliveira morreu na última segunda-feira(7), após ficar seis dias internado por causa de uma explosão no posto em que trabalhava, em Vila Velha Vitória, no Espirito Santo. O acidente aconteceu quando ele retirava gasolina de um carro. Em Recife, Pernambuco, Geival Antônio da Silva, também foi vítima fatal de uma explosão enquanto limpava o tanque de combustível. 

HOMENAGEM
No encerramento do Seminário, o presidente do SINPOSPETRO-RJ, Eusébio Pinto Neto, e a vice, Aparecida Evaristo, prestaram uma homenagem ao médico Narciso Guedes, em nome da diretoria e de todos os trabalhadores de postos de combustíveis do Estado do Rio de Janeiro. A auditora fiscal do Ministério do Trabalho e Previdência, Gisele Daflon, também foi homenageada.

SINDICATOS
Representantes dos Sindicatos dos Frentistas de Campinas, em São Paulo, Raimundo Nonato e da Bahia, Antônio Lago, prestigiaram o I Seminário de Segurança e Saúde do Sul do Estado. Do Rio de Janeiro, estavam presentes representantes dos Sindicatos dos Frentistas de Campos, Valdeci Guimarães e de Niterói, Alexsandro Silva. O diretor do Sindicato dos Siderúrgicos, José Carlos Ferreira, representou a Força Sindical do Rio de Janeiro no evento.
Comentários
fabiano naia Denuncie este comentário
pergunto qual os exames complementares para colaborador que executam suas atividades laboras de frentista?
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Doenças Ocupacionais
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital