banner 01 - Anuario 2017
Bracol - banner 01 - OUT
Banner 01 - Poli USP Outubro
Banner 01 -RL USP Outubro
 
 
    Acidentes do Trabalho
    Doenças Ocupacionais
    Empresas & Negócios
    Estatísticas
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Práticas de Prevenção
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
P Revista Proteção Digital Banner 4
P Revista Emergência Digital Banner 5
P NN Eventos - Banner 5


Você está em: Edições / Ed. 10/2017
 
Edição 10/2017
MATÉRIA DE CAPA

Profissão perigo

Reportagem de Martina Wartchow

Crédito capa: Santanense

A segurança dos profissionais que executam tarefas em tensões elétricas superiores a mil volts depende de uma gestão impecável de SST, o que inclui medidas preventivas de controle de riscos e medidas de proteção coletiva e individual

O trabalho em alta tensão - superior a 1.000 V (volts) em corrente alternada conforme a NR 10 (Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade) - engloba geração, transmissão e distribuição de energia. Os serviços executados no chamado Sistema Elétrico de Potência (SEP) representam aproximadamente 5% das tarefas que envolvem eletricidade no país e, salvo algumas exceções, cabem aos profissionais de concessionárias. Expostos diariamente a altos riscos, que podem resultar em acidentes com lesões graves ou morte, esses trabalhadores dependem, mais do que atenção constante e redobrada, de uma impecável gestão de SST, o que inclui medidas preventivas de controle e medidas de proteção coletiva. Quando a proteção coletiva for tecnicamente inviável ou insuficiente, devem ser adotados os Equipamentos de Proteção Individual.

A desenergização da rede elétrica é uma das medidas de proteção coletiva preconizada pela NR 10 para trabalhos em alta tensão. No entanto, cada vez mais, esses serviços vêm sendo executados em linhas de transmissão e distribuição energizadas, para não descontentar clientes e nem deixar serviços essenciais, como os de saúde, desatendidos. Afinal, a interrupção de uma linha de transmissão pode afetar cidades inteiras ou até mesmo estados, assim como a interrupção em uma rede de distribuição pode afetar ruas e bairros. Dessa forma, a adoção de procedimentos que minimizem a exposição dos trabalhadores aos riscos, como a construção de instalações elétricas seguras e o uso de EPCs e EPIs, são essenciais, assim como a adequada capacitação desses profissionais.



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
De olhos bem abertos

FOTO: Daniela Bossle

Entrevista à jornalista Daniela Bossle

Médico perito na área de SST fala sobre cuidados básicos para se evitar demandas judiciais

O médico paulistano João Baptista Opitz Neto tem apenas 32 anos, é pai de um menino de um ano e já acumula intensa atividade como médico perito na Justiça do Trabalho e no Direito Previdenciário. Sua atuação tem sido principalmente como assistente técnico em perícias judiciais e como consultor junto à empresa de Medicina do Trabalho e Engenharia de Segurança que é de sua família.

Quando iniciou o curso de Medicina queria tornar-se médico cirurgião. Nos últimos dois anos ficava quase todo o tempo no hospital, e então começou a se perguntar se realmente queria estar o dia todo dentro de clínicas e hospitais. Inspirado em seu pai, que sempre atuou na área de SST, mudou seus planos.

Com pós-graduações em Medicina do Trabalho, Medicina Legal e Ergonomia, mestrado em Bioética e concluindo sua segunda graduação, agora em Direito, João Baptista está empolgado com a área. "Fiquei apaixonado pela matéria, por você ter a oportunidade de visitar empresas, conhecer como as coisas são feitas, ter conhecimento de outras áreas além da Medicina e contato com outros profissionais fora da área da saúde", comenta.

Nesta entrevista, concedida durante o Seminário Nacional de Perícias Trabalhistas em SST", na Expo Proteção em São Paulo, ele fala sobre o papel do médico perito e do assistente técnico, de como as empresas podem evitar demandas judiciais em SST, novidades do Código de Processo Civil e reforma trabalhista relacionadas à perícia entre outros assuntos.

Qual a realidade sobre a demanda das perícias judiciais de Saúde e Segurança do Trabalho?
A crise econômica que o Brasil enfrentou nos últimos anos com o aumento de demissões refletiu no número de ações na Justiça do Trabalho. Consequentemente houve aumento de perícias voltadas para a área de SST. As perícias de insalubridade e periculosidade e, também, as perícias voltadas para a área de saúde são as que ocorrem em maior quantidade. Em Medicina 98% das ações são sobre a alegação de doenças relacionadas ao trabalho e acidentes de trabalho. Também já acompanhamos algumas ações em que a doença não tem relação com o trabalho, mas o indivíduo alega que foi discriminado porque estava doente quando foi demitido. Há também algumas ações de rescisão indireta de contrato de trabalho, a chamada justa-causa do patrão. O trabalhador pode ser mandado embora por justa-causa, mas o trabalhador também pode rescindir o contrato de trabalho se ele entende que há algum motivo que está prejudicando o exercício do seu trabalho. Há na legislação alguns motivos para isso e um deles seria o não cumprimento de normas de saúde e segurança que coloquem em risco a integridade física ou a vida do trabalhador.



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Elevação segura

FOTO: Arquivo Autor

AUTOR: Hélio Domingos R. Carvalho

Ensaios e inspeções em cestas aéreas e guindastes com cesto acoplado são essenciais

Em dezembro de 2011 o MTb (Ministério do Trabalho e Emprego) publicou, por meio da Portaria nº 293, o Anexo XII da Norma Regulamentadora Nº 12 que trouxe uma série de exigências aplicáveis à construção e manutenção de cestas aéreas e guindastes com cesto acoplado. Além das exigências de projeto e de fabricação este mesmo corpo normativo tornou mandatória a realização de ensaios e inspeções regulares em cestas aéreas. Revisão posterior neste mesmo anexo, publicada em setembro de 2016, ampliou a obrigação de se realizar ensaios e inspeções de mesma natureza também em guindastes com cestos acoplados.

O principal objetivo do governo com a publicação do Anexo XII foi reduzir o número de acidentes com equipamentos de guindar para elevação de pessoas e realização de trabalhos em altura, acidentes esses que podem, e geralmente têm, consequências gravíssimas. Apesar de passados quase seis anos desde a publicação da publicação deste anexo, os fatos fazem parecer que os objetivos ainda não foram alcançados. O número de acidentes graves gerados por falhas estruturais em equipamentos não parece ter reduzido. Somente neste primeiro semestre de 2017 já há diversas notícias sobre graves acidentes desta natureza com cestas aéreas. Acidentes estes que poderiam ter sido evitados se boas práticas de manutenção, aliadas à realização de ensaios estruturais não destrutivos já fossem adotadas pelas empresas.



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Maior público da história

FOTO: Valdir Lopes

Evento surpreende e reúne mais de 40 mil profissionais em São Paulo

Confirmando sua relevância para as áreas prevencionista e emergencista, a Expo Proteção - 7ª Feira Internacional de Saúde e Segurança do Trabalho e a Expo Emergência - 10ª Feira de Resgate, Atendimento Pré-Hospitalar, Combate a Incêndio e Emergências Químicas, realizadas de 16 a 18 de agosto no Expo Center Norte em São Paulo/SP superaram as expectativas. Mais de 40 mil profissionais circularam pela mostra e eventos paralelos em busca de atualização e das últimas novidades em produtos e serviços utilizados nas áreas de SST e Emergência.

Os eventos técnicos que aconteceram paralelamente à exposição oportunizaram capacitação aos profissionais das duas áreas. Só nos workshops, palestras, treinamentos, mesas redondas, seminários e congressos cerca de quatro mil pessoas buscaram informações para aprimorar ainda mais sua atividade profissional.

"O sucesso de público da Expo Proteção/Expo Emergência nos surpreendeu positivamente, pois o momento econômico que o país vive nos indicava que poderíamos ter uma redução em relação à edição de 2015. Mas não foi o que aconteceu. Ao contrário, crescemos em visitantes, confirmando que os profissionais de SST e de Emergência continuam comprometidos com a atualização profissional", reflete o diretor da Proteção Publicações e Eventos Alexandre Gusmão. Ele reforça que a intensa participação nos congressos demonstra que cada vez mais feiras devem estar ligadas a bons eventos técnicos paralelos. "Quem esteve na Expo Proteção/Expo Emergência, tenho certeza, saiu muito satisfeito com o que viu nesta edição", comemora.



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Noite de premiações

FOTO: Valdir Lopes

As melhores boas práticas em SST apresentaram seus cases e receberam homenagem

Na segunda noite da Expo Proteção, em 17 de agosto, profissionais e empresas que se destacaram em suas ações de Saúde e Segurança do Trabalho foram homenageados em São Paulo. O Prêmio Proteção Brasil 2017 agraciou 17 empresas, algumas vencedoras em mais de uma categoria. Além das distinções dadas aos melhores cases por categoria, também foram anunciados os vencedores por região e o melhor case nacional.

A Nissan do Brasil Automóveis, de Resende/RJ foi o destaque da noite como melhor case nacional, da região Sudeste e na categoria Segurança de Máquinas e Equipamentos. Para a gerente de Saúde, Segurança e Higiene Ocupacional Ivana Ribeiro, a Nissan considera que o Prêmio é a mais importante distinção concedida ao trabalho desenvolvido dentro das empresas em favor da saúde e da segurança do trabalhador e por isso recebê-lo traz muito orgulho. "A gestão de segurança em máquinas sempre foi prioridade e faz parte da nossa melhoria contínua", garante. Com a instalação de novos processos no Complexo Industrial de Resende, a empresa identificou a necessidade de uma nova adequação em sua maior máquina, a prensa japonesa IHI. "O maior desafio foi garantir a sua atualização sem impactar a produção e a qualidade dos veículos fabricados", expõe.



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Marcas mais lembradas

FOTO: Valdir Lopes

Empresas líderes em qualidade e bons serviços em SST são reconhecidas

Em 16 de agosto, primeiro dia da Expo Proteção, foi realizada, à noite, no Expo Center Norte em São Paulo/SP, a cerimônia de entrega do prêmio Top of Mind Proteção 2017. Profissionais, empresários e personalidades do setor de SST prestigiaram o evento. A pesquisa feita há 22 anos pela revista revela os vencedores da principal premiação brasileira na área de Saúde e Segurança do Trabalho em que profissionais do setor apontam as marcas de equipamentos e serviços que ocupam sua preferência em seu dia a dia de trabalho. Os prevencionistas também definem quais são as marcas mais lembradas em 20 categorias específicas de equipamentos e serviços.

"Ano a ano temos procurado ser o mais perto da verdade na premiação, desenvolvendo critérios cada vez mais rigorosos de auditoria que nos permitem afirmar que a evolução das marcas mais lembradas do nosso setor passa pelo Top Of Mind Proteção. Em duas décadas pudemos ver o nascimento, desenvolvimento e, também, o fim de marcas que fizeram e fazem a história da prevenção. E por trás destas marcas está o trabalho de milhares de profissionais, empresários, trabalhadores que construíram a evolução da prevenção no nosso país", lembra o diretor da Proteção Publicações e Eventos Alexandre Gusmão.



Edição do Mês
 
AmbLegis banner6 - 10/17
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Proteção. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Assine a Revista Proteção Outras Publicações Nossos Eventos Eventos SST SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Download Entidades Galerias Fale Conosco
Loft Digital