O drama da asma ocupacional

Os pesquisadores norte-americanos Kenneth D. Rosenman e Mary Jo Reilly, da Michigan State University, analisaram a problemática da asma ocupacional em artigo publicado no Blog do NIOSH (National Institute for Occupational Safety and Health).

Atualmente, mais de 300 substâncias existentes em locais de trabalho foram identificadas como causadoras de asma ocupacional e o número vem crescendo. Os pesquisadores ressaltam que substâncias podem agravar uma asma pré-existente, fazendo-se necessário, muitas vezes, a utilização de medicamentos.

A estimativa é que entre 15 e 55% dos casos de asma em pessoas com idade adulta estejam relacionados com a exposição a substâncias químicas no local de trabalho.

Também, recente artigo denominado The Burden of Work-Related Asthma in Michigan refere 3.634 casos confirmados de asma ocupacional ocorridas nos últimos 31 anos naquele estado norte-americano, único a ter um programa específico de monitoramento e uma ação fiscalizatória em empresas onde são detectados o problema. Algumas conclusões desta publicação merecem destaque:

– redução de casos em trabalhadores expostos a isocianatos e névoas de fluidos minerais, cuja incidência era de 11,6 casos por 100.000 trabalhadores para 5,5 casos. Esta diminuição foi consistente com a adoção de medidas de engenharia – sistemas de ventilação local e exaustora, por exemplo, substituição das substâncias e uso de equipamentos de proteção;

– 65% dos casos tiveram necessidade da utilização de serviços de emergência, em função de crises causadas pela asma e 35% ficaram internados;

– nove pessoas vieram a óbito, por ataque de asma decorrente de exposição no ambiente de trabalho. As vítimas tinham idades entre 19 e 77 anos e cinco eram do sexo masculino. Também cinco das vítimas laboravam na indústria de transformação e quatro estavam expostos a isocianatos. 

Importante frisar que mesmo exposições ocupacionais de curta duração ou de valores muito baixos podem ser iniciadores de problemas de asma ocupacional e exposições mais elevadas podem levar os trabalhadores a utilizarem serviços de emergência hospitalares. 

Como observado, o drama da asma ocupacional evidenciado nos artigos merece atenção e ação de órgãos governamentais, empresas, profissionais, trabalhadores e pesquisadores, para a implementação de medidas efetivas para a redução de casos que impactam no âmbito ocupacional, na vida pessoal das vítimas, nos sistemas de saúde e na sociedade em geral.


Conexão Global em SST trata de aspectos gerais relacionados à SST no cenário internacional. O autor Roque Puiatti é Engenheiro de Segurança do Trabalho, Mestre em Segurança de Processos e Prevenção de Perdas, Auditor Fiscal do Trabalho (SRT-RS entre 1983-2017), Coordenador de revisão da NR 13, NR 20 e NR 26, representante Brasileiro em reuniões na OIT e na ONU (1991-2017), Professor Universitário em cursos de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho,  coautor de diversas publicações em SST, Colunista da Revista Proteção, Consultor em Gestão/Auditoria de SST e em Segurança Operacional.
[email protected]