As pessoas em primeiro lugar

Um dos livros mais lindos que possuo em minha biblioteca e em minha mente e coração tem este título significativo, seguido de um subtítulo “A ética do desenvolvimento e os problemas do mundo globalizado”. Da autoria do Prêmio Nobel indiano Amartya Sen, em coautoria com o economista argentino Bernardo Kliksberg, este livro já se destaca pela mensagem de seu título, aqui emprestado para eu me apresentar neste meu primeiro artigo do Blog

Este tema será o eixo estruturante de todos os meus artigos. Ele vem ao encontro do mote lançado pelo movimento sindical norte-americano, no Dia do Trabalho que se celebra nos Estados Unidos no início de setembro de cada ano, e a bandeira do referido dia, em 2018, era assim enunciada: “It’s not the ‘future of work’, it’s the future of workers that’s in doubt”, cuja tradução livre poderia ser assim: o que está em jogo não é o futuro do trabalho, mas o futuro dos trabalhadores!

Tal posicionamento – eixo norteador deste Blog – partia da premissa de que o foco das grandes agências internacionais da esfera econômica, como, por exemplo, o Banco Mundial e o Fórum Econômico Mundial, em seus prognósticos e exercícios prospectivos, privilegiava exclusivamente a análise das tendências tecnológicas e econômicas, mostrando o seu entusiasmo com o antigo sonho de que o trabalho, no futuro, talvez não precise mais de gente… Sonho dourado do capitalismo ideal. 

No entanto, não apenas as lideranças da AFL-CIO (Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais) – a maior central operária dos EUA, lançaram este contraponto intencional e extremamente significativo, enquanto bandeira de luta, como também, em janeiro de 2019, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lançou um importante documento elaborado pela Comissão Mundial sobre o Futuro do Trabalho, o qual abre perspectivas mais animadoras, a começar pelo seu título: “Trabalhar para um futuro mais promissor”, que em Inglês foi intitulado “Work for a brighter future”, literalmente, “trabalhar por um futuro mais brilhante”.

Algumas reflexões sobre este documento da OIT serão aqui desenvolvidas no próximo artigo. Obrigado!


O blog Do Futuro do Trabalho ao Futuro dos Trabalhadores é dá uma visão sobre tendências no mundo do trabalho e em especial às questões ligadas à saúde e segurança dos trabalhadores. Seu autor é o professor René Mendes, Médico especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho, Mestre, Doutor e Livre-Docente em Saúde Pública, Professor Titular da Universidade Federal de Minas Gerais, e “Senior Associate” da Johns Hopkins University (Baltimore/EUA). Exerceu cargos de direção na Fundacentro, Ministério da Saúde, Ministério do Trabalho, Organização Pan-Americana da Saúde (Washington/DC/EUA) e Organização Internacional do Trabalho. Organizador e autor principal do tratado “Patologia do Trabalho” (Editora Atheneu, 4a edição em elaboração) e do “Dicionário de Saúde e Segurança do Trabalhador (Proteção Publicações, 2018). Foi Presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho – ANAMT, por dois mandatos. Atualmente é Pesquisador Colaborador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP) e  Presidente da Associação Brasileira de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (ABRASTT).
[email protected]